SALVE JORGE!

capadocia

Santo nas Igrejas Católica Romana, Ortodoxa e Anglicana, entidade no Candomblé e Umbanda, respeitado e reverenciado pelos muçulmanos e não menos importante ‘padroeiro da nação corinthiana’

Mas afinal, quem é SÃO JORGE?

Jorge nasceu em 275 numa família cristã, na atual região da Capadócia – Turquia. Após a morte do pai, mudou-se com a mãe para Lida, (atualmente cidade onde se localiza o principal aeroporto de Israel). Entrou para o exército romano e devido à sua habilidade e dedicação teve lugar de destaque na corporação.    

Em 303 o Imperador Diocleciano publicou um édito que mandava prender todo soldado que fosse cristão. Jorge declara sua fé em Jesus Cristo diretamente ao Imperador, que não querendo perder o grande soldado tenta de toda forma destruir sua fé oferecendo dinheiro, terras e escravos.  Mas,  Jorge não aceitou abandonar o cristianismo. Diocleciano parte então para a tortura, certo que o sofrimento na pele o faria mudar de ideia. A cada sessão de tortura Jorge era levado ao imperador que perguntava se ele renegaria Jesus para adorar os deuses romanos, ao que ele respondia: NÃO!

E a cada negativa Diocleciano mandava que aumentassem a tortura e ele continuava cada vez mais firme em seu propósito. Muitos dos soldados que presenciaram tamanho martírio, bem como a mulher do imperador, acabaram por se converter ao testemunhar tanto amor e confiança em Jesus Cristo. Sem sucesso, Diocleciano mandou degolá-lo em 23 de abril de 303, em Nicomédia, atual Izmit, +- 100 km de Istambul. Seus restos mortais foram levados a Lida, onde depois o Imperador Constantino mandou erguer um grande oratório para que pudesse abrigar seu túmulo.  

Entre os documentos mais antigos que atestam a existência de São Jorge tem uma epígrafe grega de 368 que fala da “casa ou igreja dos santos e mártires triunfantes Jorge e companheiros“. Em 494 sobe aos altares. 

No cânon do Papa Gelásio (+496), São Jorge é mencionado entre aqueles que foram justamente reverenciados pelos homens e cujos atos são conhecidos somente por Deus”.

A fama da Fé de S. Jorge e de sua fidelidade a Cristo se espalhou e cresceu. No século V,  havia 5 igrejas em Constantinopla dedicadas ao santo e no Egito, nos primeiros séculos após sua morte, construíram no mínimo 4 igrejas e 40 conventos dedicados ao mártir.

No decorrer dos séculos, foram muitas as informações duvidosas e fantasiosas que surgiram em torno da figura de S. Jorge. Com certeza você já ouviu sobre alguma delas, relacionadas ao dragão e a lua:  

“Diz que na cidade de Selém, Líbia, havia um dragão cujo hálito venenoso podia matar toda cidade e a pele dele não podia ser perfurada por lança ou espada. Todos os dias o dragão exigia sacrifícios, que ora eram animais, ora eram jovens. Até que um dia chegou a vez da filha do Rei ser oferecida em sacrifício. Jorge estava em viagem pela região e ao saber foi ter com o Rei e exigiu que se trouxesse sua filha de volta, todo o reino deveria conhecer o Cristianismo. O rei deu sua palavra e assim foi. Jorge ‘montou em seu cavalo branco’ e partiu. Depois de muita oração e luta, acertou a cabeça do dragão com sua poderosa espada, ferindo-o mortalmente. A cidade se converte como forma de agradecimento de tal livramento.” 

Já a relação de S. Jorge com a lua, acredita-se que surgiu no Brasil, a partir do sincretismo religioso. Ogum (S. Jorge na Umbanda e no Candomblé), santo da Guerra e detentor da energia masculina, teria buscado na Lua as energias do feminino, fazendo dela sua morada. E as manchas na lua representam o santo e sua espada, a postos para defender aqueles que rogam pela sua ajuda.

Entre os vários símbolos, temos o DRAGÃO que tradicionalmente é referência do demônio, do mal e da inimizade e a certeza que o bem triunfa sobre o mal.  Em outro momento, S. Jorge teria socorrido os cavaleiros da 1.ª Cruzada (1098) – Intercessor.   

Na 3.ª Cruzada, em 1190, o rei Ricardo Coração de Leão nomeou o santo como protetor de uma expedição e colocou no uniforme dos militares  “a cruz de São Jorge”, que hoje está presente na bandeira da Inglaterra. Do território britânico, a devoção se espalhou pelo resto da Europa, chegando a Portugal, onde “São Jorge!”, tornou-se um grito de batalha no século XIV. 

Sim, chegou para nós pelas mãos dos portugueses e na época da escravidão, os negros, proibidos de praticarem suas religiões tradicionais, logo deram um jeitinho,  “adaptando” e relacionaram um santo da igreja a um orixá e  São Jorge é Ogum, o orixá da guerra, do combate, do ferro e da metalurgia.

São Jorge é padroeiro de várias cidades em países como Etiópia, Lituânia, Inglaterra, Portugal, Espanha, Itália, Líbano, Brasil e também dos soldados, escudeiros, cavaleiros, escoteiros, esgrimistas e arqueiros. Ele é invocado ainda contra a peste, a lepra e as serpentes venenosas. O Santo é honrado também pelos muçulmanos, que lhe deram o apelido de “profeta”.

Os santos foram aqueles que viveram a radicalidade do amor a Cristo que mantiveram sua fé até diante da morte. Com relação a São Jorge, temos poucos fundamentos históricos, mas o suficiente para saber que Ele existiu e tudo que envolve seu nome, independente de como, quando e onde, nos recorda uma ideia fundamental: que o bem, com o passar do tempo, vence sempre o mal. A luta contra o mal é uma dimensão sempre presente na história humana. 

A figura do santo combatente lutando contra o dragão tornou-se uma das maiores referências iconográficas do ideal cavaleiresco na civilização cristã. O salmo 90 é com frequência referido a ele: “Sobre serpente e víbora andarás, calcarás aos pés o leão e o dragão” (Sl 90,13).

Ah! E SIM!
SÃO JORGE ESTÁ NA LUA

São Jorge é o nome, adotado pela União Astronômica Internacional, de uma cratera na lua. 

CURIOSIDADES

  • Além do dia 23 de abril, dia de sua morte, ele também é homenageado no dia 6 de maio para os ortodoxos (devido uso calendário juliano) e 3 de novembro, dia que foi trasladado seus restos mortais para o oratório construído por Constantino. 
  • O Papa Paulo VI, em 1969, reformou o calendário da celebração dos Santos, e a memória de São Jorge passou a ser facultativa, restrita às comunidades locais e não mais universal como era antes.  
  • É um dos 14 Santos Auxiliares (intercessores eficazes contra as mais diversas doenças)
  • Também é invocado pela saúde dos animais 
  • o país “Geórgia” tem este nome devido ao santo
  • Na Bulgária o dia de S. Jorge é feriado nacional e o santo é venerado como “libertador dos cativos e defensor dos pobres”, o santo protetor. É também o Dia do Exército Búlgaro
  • Na região da Catalunha, Espanha, o dia de São Jorge é conhecido também como DIA DA ROSA ou DIA DO LIVRO. Os homens dão às mulheres rosas e as mulheres dão livros aos homens, “uma rosa por amor e um livro para sempre”. A troca é entre namorados e apaixonados, mas também podem ser entre amigos. 
  • As tatuagens de S. Jorge estão entre as que mais fazem sucesso no Brasil.
  • E qual a relação com o Coringão?

Existem duas histórias sobre o motivo de o Corinthians ter adotado São Jorge como patrono: 

LOCALIZAÇÃO: a sede fica na Rua São Jorge, no Parque S. Jorge.
(Ocupam o espaço desde a década de 1920) 

HERANÇA: o Corinthian Football Club, time inglês que deu origem ao alvinegro, tem São Jorge como padroeiro, e essa tradição teria sido passada para sua versão brasileira. 
O dia 23 de abril, dia dedicado ao santo no Brasil é também o dia do “torcedor corintiano” 

Que tal uma voltinha de balão na Capadócia?  Consulte-nos para um programa imperdível pela Capadócia e a bela Turquia. Nosso Whatsapp: clique aqui

Fontes: Vatican, A 12, Canção Nova, Globo, Gaudium press